.posts recentes

. Perda

. Impedimento da ambição

. Carta de Mary Quant à gen...

. Restelo

. Impacto

. Ser um Ser

. Cidade em pó

. Gente Descontente

. Maratona da Vida

. Peças da Vida

. Falta

. Ciclo Estagnado

. Ser

. Sera(o) que voltas?

. Sem Palavras

. Multiplicação em Fracção

. Público

. Amor Funesto

. Momento

. (In)Correspondencia do am...

. Reflexão Última

. Pretérito Presente

. Há algo de belo

. If I...

. Erro

. Obsession

. Reflexão última

. O avesso do meu coração

. A tristeza d'um sorriso

. Romance Pt2

. Romance

. Raining

. Dreamer

. Fall

. Não ajudes...empurra

. O poeta não é mais que um...

. Curta-Metragem

. Flaming Rose

. Meu calcanhar de Aquiles....

. A quem escreve poesia.

. Só sei que nada sei

. Felicidade

. Intenção é a minha tentaç...

. O tempo para o suamento d...

. Soneto da Saudade

. Umas são em português...o...

. Uma para nos classificar ...

. :)

. Adivinha esta para vermos...

. Querem que vos declamemos...

.arquivos

. Novembro 2015

. Setembro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Dezembro 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Abril 2008

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

Terça-feira, 17 de Outubro de 2006
O avesso do meu coração

É difícil fingir uma tristeza
Quando temos o riso estampado
Mas sendo da minha natureza
É fácil encobrir, sem dureza
A tristeza com um sorriso rasgado
Esta é a minha fraqueza
De não querer ser ajudado.

Logo, apresento-me mais em baixo
Quando estou mais eufórico
Sendo um enredo histórico
De fingidos sentimentos,
Múltiplos sofrimentos
Que o sorriso te esconde
Por uma mente que é conde
Para te fazer feliz
Ignorando o coração aprendiz.

Talvez até compensa
Ser o gatilho
Que te faz sorrir
Mas desculpa se não partilho
Da alegria que te fiz sentir
Essa que me faz continuar...
Porque pensa,
Posso fazer-te rir
Querendo apenas chorar.

Para quebrar esta melancolia
Basta um simples abraço
Para quebrar este cansaço
Que a alegria escondia

Mas não um abraço qualquer!
Pois os sofrimentos só serão quebrados
Se a pessoa que o abraço me der
De sofrimentos também padecer
E a mim forem divulgados
Pois só assim, a meu ver
Poderam desaparecer
O que revelo esconder.

Tudo isto na prática
É pura matemática...

publicado por Amor(com)Bateador às 19:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 15 de Outubro de 2006
A tristeza d'um sorriso

Encontro-me sozinho,
Ao pé de toda a gente...
Sigo um desconhecido caminho,
Sem quaisquer alentos...
Sinto os sentimentos,
Com um coração que não sente...
Rio das piadas que faço,
Para esconder o meu tormento
Com coração que mente,
Como um papel que amaço
Que no lixo é esquecimento.

Não me dê um abraço,

Quem não partilha o seu sofrimento...

publicado por Amor(com)Bateador às 19:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 14 de Outubro de 2006
Romance Pt2

Olha o mundo.

E faz perguntas, como se nascesses agora, sobre o que vês.

Sobre o que é a luz, e a realidade, e a subtil diferença

Entre o superficial e o profundo.

E então, se quiseres mesmo, talvez

Consigas entender o que sinto na tua presença.

E consigas perceber o que é renascer a cada momento,

E ter uma luz diferente cada dia.

E saber que o que sou é porque és,

E que sem isso nada mais é que deserto.

E que se te pareco a ti incerto,

A incerteza é tua porque para mim não há

Juras e promessas além de ti,

E leis além do que me dizes e olhas.

E quero, isso quero,

Quero-te amar não ao ponto de dar a minha vida por ti,

Mas ao ponto de dar a minha vida contigo.

Quero amar-te não ao ponto de dar a minha vida por nós,

 Mas sermos nós a minha vida.

E quero amar-te para além do significado das palavras

E para além do significado do amor,

Mas nunca para além do teu significado.

E se não quiseres,

Não precisas de querer.

O amor não se quer, cria ou transforma.

Existe, em mim, por ti até morrer,

E se não existe em ti, nada a fazer, pois não se forma.

publicado por Pedro Leitão às 21:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Romance

Encontrei-te onde menos esperava

Tu também.

Pois quando te olhei, não sabia que encontrava alguém...

E em alturas difíceis,

Palavras fluídas

Conversas completas, compridas

Sobre tudo

Mas mais importante sobre nada

E aquele silêncio mudo

Que dizia mais que qualquer conversa falada

Foram crescendo

Envolvendo

Alastrando

Englobando

Tudo, o mundo, a realidade

Eramos nós

Sós

Mais ninguém, nada mais interessava...

Os restos do meu mundo tornaram-se teus

E das ruínas do teu fiz os sonhos meus

E andamos juntos pelos confins do mundo

E sonhamos juntos pelos confins do universo

E falamos juntos sobre o concreto e o disperso

E vivemos juntos e lá no fundo

Sempre soubemos que não podia ser sempre assim

Juntos, num espaço nosso, porque tudo o era,

Sozinhos, a vida era nossa, só nossa

Para nós e  para mais ninguém...

E deitados na cama, com as palavras caladas

E os pensamentos a discorrer suavemente

Abraçados sem fim, só conta o presente

Ficavamos horas a ver os reflexos dum candeeiro de lava pelas paredes, pelo tecto, pelas janelas fechadas...

publicado por Pedro Leitão às 21:23
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Raining

Chove chuva
Chove sem cessar
Chove chuva
Que corre
E percorre
Do rio para o mar
choro chuva
choro sem parar
Choro chuva
Por ainda te amar

Caía chuva
Quando tudo aconteceu
Cai a chuva
Desde que me esqueceu

publicado por Amor(com)Bateador às 18:15
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 13 de Outubro de 2006
Dreamer

O que é que eu faria
Se sonhar me fosse negado?
Seria um desgraçado
De um pobre coitado
Que teria mendigado
Por uma vida sem vergonha...
Passaria andando
Nas malhas da maldade
Pois é a única realidade
De uma vida sem fantasia,
De uma vida sem verdade.
Mas mais conhecimento teria
E deixaria de ver o mundo
Pelos olhos de uma criança
Pois já alguém dizia
"Que quando
O Homem sonha,
O mundo pula e avança"
Mas sei lá no fundo
Seria uma vida sem esperança.

Por isso não vou por fim
Não pararei de sonhar,
Mas será que sonharei
Com arcanjos ou demonias?
Ao certo não sei,
Se calhar terei insónias,
Mas o futuro adivinhar
Isso, não depende de mim.

Mas não sonharei demasiado
Pois poderá ser mal-interpretado
Como sendo um preguisoso
E Por alguns serei invejado
Por muitos odiado
Mas não ficarei preocupado
Quanto mais medroso
Porque sei que nos meus sonhos
Serei sempre considerado
Um homem grandioso.

Mas para quê me preocupar
Com aquilo que sonhar
Amanha de madrogada
Nem me lembrarei de nada
Quanto mais da amada
Porque depois da alvorada
Tudo será esquecido,
E por Deus submetido
A um eterno esquecimento
Para meu mal, para meu lamento.

"Para mal dos meus pecados"
Sei que sonhar não custa
Mas o que me assusta
É não saber se quem amo
Comigo sonha
E a Deus aclamo
Para que me disponha
Os sonhos que me são renegados
Para que me dê esse conhecimento
Para por fim ao meu tormento.

publicado por Amor(com)Bateador às 15:29
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Outubro de 2006
Fall

Tu eras o sonho da minha sesta,
Da sesta que é a minha vida,
Mas se até o teu amor me falta
Já nada mais me presta.
Pois só o amor de Deus,
Só o amor de Deus me resta.

Oh! Meu pobre coração...
Meu pobre coração que já salta...
Devido à maldita tentação
De ver a minha vida em alta.

Senti que abandonei a ribalta
Desde que te perdi,
Porque o que me faz falta
É ter-te sempre a ti.

E neste poema dir-te-ei
Que muito já esperei
De te ver em meus braços protegida.

Pois já desesperei,
Por ti me desinteressei...
E só te esquecerei,
P'ra seguir um novo rumo na vida.

publicado por Amor(com)Bateador às 15:28
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Outubro de 2006
Não ajudes...empurra

Se um amigo meu
Tentar de um precipício saltar
Não o puxo, faço o contrário...
Mesmo que o porquê de mim escondeu...
Mesmo que seja por doença, fel do amor ou salário
Tomo coragem!
Pois sei que o estarei a ajudar.

Sei que se o parar
Ele me vai perguntar
O porquê de o estar a ajudar
E ate contra mim se pode virar

Sei que se as cabeçadas
São por causa do tal fel
A que dói mais
É a sentida na pele

Sei que por mais cabeçadas
Que eu lhe possa travar
A maior cabeçada
É aquela que o faz acordar

E quem com elas não aprende
Das duas uma
Ou é um masoquista doente
Ou então só pode ser demente


Portanto...só te resta morrer...


Mas,...

Se achas que nasceste para morrer
Diz-me, o que ainda estas aqui a fazer?

publicado por Amor(com)Bateador às 15:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 9 de Outubro de 2006
O poeta não é mais que um filósofo que fala em rima

Um poeta de vez em quando
Tem de se ausentar
Para que possa meditar,
Mesmo sabendo
Que esta abandonando
Quem nele acredita.

Mas assim sendo
É porque há seguidores
Que deveriam saber
Que se o poeta medita
É porque solicita
O poder no "Mais Alto Ser"
Para depois fazer
O que todos querem ver.

Assim é a minha desculpa
Sabendo que é só minha a culpa
Da minha ausência
Por isso peço clemência
Pela minha falta.
E que ninguém perca a paciência
Por um poema esperar.

Porque tal como os filósofos
Nos, poetas, também reflectimos
Para depois descobrirmos
A essência do rimar.

publicado por Amor(com)Bateador às 15:26
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 8 de Outubro de 2006
Curta-Metragem

Oh, como passam como sentimentos as coisas,

E como coisas sentimentos!

Porque se digo hoje que te amo sem rodeios,

Amanha com outros pensamentos,

Não tenho senão solidão e ódio por anseios!

 

Tudo nasce cresce e morre como tudo...

E feliz se chegar mesmo a crescer!

E se tudo for o que é no tempo certo,

Belo, feliz, triste e incerto,

Mas conformado ao menos p'ra morrer!

 

E se me olhares verás que o que sou,

É assim, agora e nunca mais!

E o que sou sou e já não sou,

Nessas complexas e voláteis espirais,

Soltas no tempo, a desafiar quem as criou!

 

Então se tudo é real sonho por instante,

O momento é, e é para ser assim que seja!

Esquece, esquece, que há mais que o importante

Do momento único curto e vibrante,

Em que tudo é infinito para quem assim deseja!

publicado por Pedro Leitão às 18:56
link do post | comentar | favorito
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
.tags

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

blogs SAPO
.subscrever feeds