.posts recentes

. Perda

. Impedimento da ambição

. Carta de Mary Quant à gen...

. Restelo

. Impacto

. Ser um Ser

. Cidade em pó

. Gente Descontente

. Maratona da Vida

. Peças da Vida

. Falta

. Ciclo Estagnado

. Ser

. Sera(o) que voltas?

. Sem Palavras

. Multiplicação em Fracção

. Público

. Amor Funesto

. Momento

. (In)Correspondencia do am...

. Reflexão Última

. Pretérito Presente

. Há algo de belo

. If I...

. Erro

. Obsession

. Reflexão última

. O avesso do meu coração

. A tristeza d'um sorriso

. Romance Pt2

. Romance

. Raining

. Dreamer

. Fall

. Não ajudes...empurra

. O poeta não é mais que um...

. Curta-Metragem

. Flaming Rose

. Meu calcanhar de Aquiles....

. A quem escreve poesia.

. Só sei que nada sei

. Felicidade

. Intenção é a minha tentaç...

. O tempo para o suamento d...

. Soneto da Saudade

. Umas são em português...o...

. Uma para nos classificar ...

. :)

. Adivinha esta para vermos...

. Querem que vos declamemos...

.arquivos

. Novembro 2015

. Setembro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Dezembro 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Abril 2008

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

Segunda-feira, 30 de Abril de 2007
Multiplicação em Fracção

Três é o número certo.

 

Pois três foi a conta,
Que Deus fez.
Mas mais que três,
São as vezes que amo alguém. 

Três vezes cem...
Três vezes sem...
Três...
Apenas Três segundos por ti amado,
E teria o sentido da vida realizado...
Mas, uma vida não chega para estar a teu lado...

 

Maior amor que qualquer conta que Deus tem.

 

Três vezes o maior número
Até onde a vossa mente vos levar
E mesmo assim nem um décimo
Representa o alcance do meu amar

 

Em cada fracção de segundo há uma multiplicação,
Do "amor" que passa de boca em boca e que me sai do coração.

 

Por isso, sinto-me mal, péssimo...
Por não poder realmente mostrar, 
A ninguém ...
(Como alguém diria,
em Autopsicografia "...)

Neste poema bem o tento...
Mas como sempre quem escrevia
Para o papel difícil era escrever o que sentia
Com sentido e poder transmitir
De maneira que sentisse quem pudesse ouvir...
Contudo, a quem pergunte o que sinto apenas diria...
"É como o vento"...

 

Junto a ti, Vera
Sinto-me apenas nada
Mera pessoa, vã, quimera ...
Antonimos  que nunca direi da amada.
Mas Vós que sois fera
Rasgast o meu coração
Onde agora estais instalada. 

 

Chama explícita
Que me faz vibrar
É por ti Rita
Que vejo o dia com outro olhar.

 

Magestoso amor que Ele me deu
Mais belo ser que me concebeu
assim es tu, Amor meu.

 

Cada vez me sinto mais perto
Do Ser Mais Profundo
Perguntais vós porquê...
Pois cada vez estou mais certo
Que tenho a melhor namorada do mundo.

tags:
publicado por Amor(com)Bateador às 22:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 29 de Abril de 2007
Público

Oham para mim no meu devaneio

Devoram-me com o olhar,

E estou sozinho.

 

Crio-os, crio-os a todos,

Quero-os no meu âmago,

Desejo-os que me vejam,

Que me sintam,

Que me espiem,

Que me compreendam.

 

As imagens minhas e deles fluem,

E não lhes vejo as caras,

Somente a minha.

Somente vêem a minha,

Somente existe a minha,

A minha.

Sonho-os meros espectadores do meu sucesso inexistente,

E eles cumprem o seu papel,

Admirando-se e aplaudindo o espéctaculo de circo a que assistem:

A minha vida.

 

E sou, aí sim sou, como nunca sou,

Fascinante, belo, triunfante e melhor, melhor que tudo,

Sempre melhor que tudo e todos,

E recolhendo todos os brancos crisântemos do meu sucesso fingido,

Sem deixar sequer cair uma pétala.

 

Sentados na plateia da minha consciência,

Imaginações de mim para mim,

São-me tudo o que não posso querer de mais ninguém.

E então, o pano abre-se perante mim e os meus espectadores de ensaio da vida,

E o público real e físico olha-me espectante -

Com aquela natureza fria de tudo quanto é físico no olhar -

E eu tropeço, caio, e faço de mim o que nunca em sonhos e ensaios.

 

A cortina fecha,

E eu fecho.

Dentro de mim nada muda,

Apenas posso jurar que talvez,

(Talvez)

Me pareceu ver que agora,

Depois de toda a tropêga actuação,

A minha assistência muda

Aplaude com ainda um pouco mais (se é possível) de admiração.

publicado por Pedro Leitão às 18:32
link do post | comentar | favorito
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
.tags

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

blogs SAPO
.subscrever feeds